AS BRUXAS SÃO NECESSÁRIAS.

As Bruxas de Zugarramurdi (Las Brujas de Zugarramurdi) – 2013.
Dirigido por: Álex De La Iglesia.
Duração: 109 minutos.

9563305631_d106474c29_c

O primeiro filme do diretor Álex De La Iglesia que lembro ter assistido foi o horror cult “Acción Mutante” e também assisti “O dia da Besta” e “A Comunidade” todos eles, exceto o “Acción Mutante” são filmes carregados de humor negro, mostrando a imbecilidade e idiotice dos seres humanos e neste novo filme “As Bruxas de Zugarramurdi” não é las-brujas-de-zugarramurdi-foto-pelc3adcula-3910diferente, um bela comédia com violência absurda e muita fantasia e bizarrices.

O filme começa com um assalto a uma loja, destas que compram e vendem ouro e joias, o interessante é que a gangue que irá assaltar a loja são pessoas vestidas de algum personagem famoso, um é Jesus prateado, outro é um soldado verde, uma pessoa vestida de bob esponja, uma criança que não tinha com quem ficar e vai com o pai e assim por diante. O assalto ocorre com suas bizarrices e trapalhadas e somente conseguem fugir o Jesus prateado, seu filho e o soldado verde, eles pegam um táxi e levam além do motorista o passageiro que estava no táxi.

Depois de uma fuga com tiroteios, perseguição de carro e tudo, quando conseguem despistar a polícia, decidem que irão cumprir o plano mesmo com muito dos companheiros do assalto terem ficado para trás, irão até a França, Jesus Prateado maxresdefaultchama-se José, o Soldado Verde chama-se Antônio, o filho do Jesus é Sergio e o taxista que resolve que irá com eles se apresenta como Calvo, o passageiro que só reclamava foi deixado no porta-malas e todos o chamam de Badajoz que é a cidade que ele gostaria de ter ido quando tomou o táxi. A esposa de José, Silvia, é procurada pela polícia para saber o paradeiro dele, só que ela não sabe onde ele está e o curioso nesta cena é que a polícia não consegue nenhuma foto de José com a esposa, porque todas as fotos que eles estavam juntos foram rasgadas e não sobrou nenhuma com José, Silvia vai atrás de seu filho Sérgio, a polícia segue a mulher que segue algumas pistas de onde pode encontrar o filho e o ex-marido. Todos acabam em uma estranha taberna, suja e com estranhos frequentadores no meio de uma pequena estrada rodeada por uma sombria floresta. Para chegar à França, no meio do caminho eles tem que passar pela cidade de Zugarramurdi que fica na divisa com a França, Calvo o taxista sabe da fama da cidade em ter bruxas e fica apavorado, mesmo assim eles seguem viajem. Em Zugarramurdi José e Antônio ficam estupidamente apaixonados por uma jovem bruxa chamada Eva e sua mãe e avó estão preparando uma Las Brujas De Zugarramurdi - Scenegrande festa aonde os recém-chegados convidados poderão ser o prato principal e o inocente e jovem Sergio é perfeito para ser usado no sacrifício para a bruxa-monstro.

Gosto muito dos personagens deste filme, apesar de que em todos os filmes do “Álex De La Iglesia” tem ótimos personagens, os homens neste filme são uns imbecis que apesar de conseguirem completar seus objetivos, os conseguem de modo totalmente atrapalhado e mal planejado. As mulheres são todas umas loucas, a todo o momento temos referências que na verdade, todas as mulheres podem ser bruxas. Os homens a todo o momento falam mal de suas esposas, pode até soar machista em alguns momentos, mas ao mesmo tempo, uma das bruxas, Eva se arrepende de ser bruxa e se apaixona por José e elas são quem realmente controlam o mundo, alimentando uma bruxa-monstro gigantesca que vivem em uma caverna, é algo muito absurdo e divertido ao mesmo tempo. Parece um retrato das mulheres espanholas, guardadas as devidas proporções é claro, estas mulheres que sempre estão com os sentimentos “à flor da pele”, “dramáticas” que se expressam com muita veemência e brigam por aquilo que querem, e as bruxas foram mulheres que subverteram o Status Quo na época da Idade Média, são mulheres com coragem de enfrentar o mundo, coragem de contestação de um mundo patriarcal.

13805782_24670_1Carmen Maura, que já fez o filme “A Comunidade” com Álex De La Iglesia faz o papel da bruxa-mestra, ela ficou muito conhecida fazendo vários filmes do Pedro Almodóvar e é muita conhecida na Espanha por diversos trabalhos como atriz, é sempre muito bom ver o jeito firme e engraçado de suas atuações em loucos personagens. Em “As Bruxas de Zugarramurdi” os personagens têm suas características, tem o corajoso, o medroso, o azarado, os homossexuais enrustidos, tem a bruxa má, a bruxa sem noção, a bruxa aventureira em dúvida, a mulher que é tão ruim que deveria ser uma bruxa, a criança inocente, o adulto infantilizado, o servo sádico, todos eles muito caricatos, mas sem soar irreal, mesmo com os exageros e estereótipos, tudo é muito bem feito.

Há muitos momentos interessantes no filme como o relacionamento dos policiais que estão perseguindo a gangue, os dois policiais brigam o tempo todo, como um típico casal que vive junto há muito tempo, eles se gostam, mas a profissão deles o fazem ser totalmente machões; o taxista que está cansado do casamento e na primeira oportunidade que tem foge, mesmo cometendo um crime; a bruxa que quer viver um outro tipo de vida, é um roteiro com pessoas infelizes que estão procurando outra vida e o Badajoz que é a única pessoa que gostaria de seguir sua vida como ela está é o personagem que mais se fode e sofre com toda essa história de fuga e bruxaria, gosto do começo do filme que começa em um assalto interessante no centro de Madrid, o assalto com uma criança e todos os personagens estarem disfarçados é muito interessante, porque são personagens que estão no dia-a-dia de grandes cidades, oferecendo os mais diversos serviços, e por causa da fuga eles irem parar numa cidade com bruxas que 16473682_EOZa1querem uma criança para um sacrifício para alimentar a bruxa-monstro, pelo que me pareceu, é o alimento para as bruxas manterem suas vidas e conseguirem fazer com que o mundo de certa forma não seja destruído pela bruxa-monstro ou algo do tipo, pode até ser que a bruxa-monstro faça parte da natureza e mantém certa harmonia no mundo.

A parte técnica de “As Bruxas de Zugarramurdi” é muito boa, exceto na parte de alguns efeitos especiais que soam um pouco falsos, sejam por causa da computação gráfica ou até mesmo por uma luz mal planejada, penso eu, mas nada disso tira o mérito do filme que é entreter e divertir, não é um filme revolucionário, não é um filme que vai mudar o mundo, é um filme leve, que arranca risos pelo seu exagero gore e com humor torto delicioso. Quem é fã dos filmes do “Álex De La Iglesia”, certamente irá curtir mais este filme deste diretor espanhol mestre em fazer filmes com temas de horror com uma visão humorística e de certa forma fazendo uma crítica as histórias absurdas que acabamos tendo medo, que talvez esta fantasia, muitas vezes religiosas, de um folclore bizarro, pode não existir, que focamos nosso medo em algo que pode nem existir e que tudo isso se transforma em piada nas mãos deste diretor experiente e debochado.

Curiosidades:
– Zugarramurdi é realmente uma cidade do norte da Espanha que faz divisa com a França.
– No site da cidade de Zugarramurdi lê-se: Zugarramurdi – Pueblo de las brujas – 400 años (Zugarramurdi – Povoado das bruxas – 400 anos).
– O primeiro filme de Álex De La Iglesia “Acción Mutante” foi produzido pelo famoso diretor Pedro Amodóvar.

 

Trailer:

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s