PIERROT LE FOU

Pierrot Le Fou (Pierrot le fou).
Dirigido por: Jean-Luc Godard.
Duração: 110 minutos.

Godard foi o mais importante cineasta da Nouvelle Vague Francesa. Pierrot le Fou é uma obra deste cineasta que vale a pena assistir, carrega um romance que mostra alem do amor, aspectos da decadência da sociedade e de seus modos de interagir, usando a guerra, por exemplo.
Ferdinand é um homem que gosta de literatura e tem sua esposa e filhos, ao encontrar um velho amor, ele resolve que deve vivê-lo, larga tudo e segue em caminho a um roadie movie nada convencional. Marianne, o amor de Ferdinand, é uma mulher que tem seus sentimentos a flor da pele, se deixa apenas levar por eles.
Ferdinand e Marianne seguem de carro pela França, gostariam de ir para a Itália, só que não tem dinheiro suficiente para isso. Entre falcatruas, roubos e mortes, seguem pela estrada. Cenas estranhas acontecem, coisas inexplicáveis ao telespectador, mas que deve fazer sentido aos personagens, que demonstram não viverem no mesmo mundo que as outras pessoas, eles filosofam e apenas vivem, seguindo instintos e influências literárias, no caso de Ferdinand.

Eles param em uma casa de campo, depois de jogarem um conversível dentro de um lago, o material parece não importar para eles, o que importa é ter um ao outro. Ficam durante um tempo na casa de campo, Marianne rouba livros para Ferdinand, eles pescam, caçam para viver. Só que a vida no campo acaba por trazer a inevitável falta do que fazer, eles não vivem mais como diz Marianne, que quer viver, quer ação em sua vida, não lhe importa o dinheiro e os materiais da vida moderna, quer apenas viver.
Novamente voltam para o Roadie Movie, encontram refugiados, bandidos do oriente médio, americanos, todos em situações bizarras, inexplicáveis para qualquer humano comum, exceto para os nada comuns Marianne e Ferdinand. Eles planejam um golpe perfeito no irmão de Marianne, assim teriam dinheiro para ir onde quisessem. Marianne chama Ferndinand de diversos outros nomes. O mais freqüente é o Pierrot, que se traduzir ao português o nome do filme, é Pierrot o louco.
Godard é um grande cineasta. O filme começa com bastante ação, até a metade o filme tem uma velocidade incrível, depois ele começa a ficar mais lento, filosófico, confuso. Típico de um cineasta que quebrava com as “regras” do cinema. Não ligava para modos de criar e narrar pré-estabelecidos por uma indústria de massa. Godard é contestador. É um cineasta livre. As imagens do filme também são incríveis, há momentos dignos de um Kurosawa.
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s